Ano de eleição é atípico sempre, principalmente na economia. Aproveitando-se (no bom sentido) de uma suplementação orçamentária de quase dois bilhões de reais destinada aos servidores públicos e que foi pautada para deliberação pelo Congresso Nacional, o Presidente Jair Bolsonaro também quer incluir um socorro financeiro emergencial em proveito dos agricultores e por conta da estiagem.

A medida já é um modo de cumprir promessa recentemente feita pelo Ministro da Economia Paulo Guedes, e é de quase 1 bilhão de reais. Ela propicia novas linhas de financiamento do Plano Safra, que geralmente acode o pessoal do agronegócio em épocas de crise, recessão ou acidentes climáticos.

Para aprovar a proposta haverá grande discussão no Congresso, porque também há vetos presidenciais que precisam ser “derrubados”. Além disso, como ninguém consegue fazer mágica com números, o presidente pretende retirar estes valores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

A matéria, como visto, é bastante polêmica. E o pior é que, ainda que aprovado o auxílio para o setor do agro, não resolve o  problema. A demanda já contabilizada para suprir o déficit na produção via Plano Safra é de cerca de 4 bilhões de reais. Uma outra maneira de conseguir mais dinheiro seria implementar medida econômica que que altera a cobrança de ICMS sobre o preço dos combustíveis. Mas, aí, a briga não é mais com o congresso nacional, mas com os governadores dos estados.

fonte:

https://www.canalrural.com.br/noticias/politica/bolsonaro-envia-projeto-de-lei-para-reforcar-plano-safra/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.