Não sai das rodas de conversa o grande problema do aumento de combustíveis, em níveis assustadores no que toca ao óleo Diesel tão usado no agronegócio –estratosféricos 14% no último aumento, que tem a Petrobrás como grande vilã.

Primeiro se culpou o coronavírus e a pandemia, depois a Guerra da Ucrânia. Agora a Petrobrás. Bem,  não importam os culpados, mas  sim qual o impacto econômico  real pra quem  vive do campo e para o campo e em que estes aumentos prejudicam  a economia brasileira, principalmente aquela centrada no agronegócio.

Primeiro é  importante conhecer como  ocorre o processo de formação do preço do combustível,  que não depende só da Petrobrás para que seja estipulado. Este preço é internacional e oscila conforme o mercado exportador – no caso do  Brasil , também porque não somos autossuficientes em combustíveis  fósseis, uma vez que não temos capacidade de refino para todo o petróleo que produzimos, principalmente no caso do Diesel, com altos índices de petróleo bruto.

Depois, entram os impostos, a maioria estaduais, e aqui a briga é boa. E o imposto incide sobre o custo do produto e de seus componentes, tanto o  ICPM como o COFINS e o CIDE. É assim que o preço do combustível na bomba quase dobra para o consumidor final.

A variação é importante, bem como os fatores que a fundamentam. Para que se tenha uma  ideia a  gasolina aumenta na prática um real e o diesel um real  e cinquenta centavos ns bombas dos postos, o que vai afetar frete, distribuição , produção, estocagem, com  um aumento exponencial  destes preços nas gôndolas dos  supermercados.

Uma escassez geral de combustíveis também não é um pesadelo surreal e remoto, tendo em vista justamente a guerra da Ucrânia, que afeta a produção de combustíveis distribuídos no mundo inteiro – como já dissemos, o Brasil não é autossuficiente neles!

Como sempre, na  economia, o que acontece agora é que vai servir para alterar preços e comportamentos de mercado no futuro. Estamos agora sofrendo mundialmente com as consequências da pandemia e da oscilação cambial do dólar. Mais tarde ainda haverá período mais crítico, justamente por conta das encrencas políticas e militares no leste europeu. É bastante possível que o preço dos combustíveis suba  mais um pouquinho,  com mais  problemas para o agronegócio, e aparentemente sem qualquer culpa direta da Petrobrás ou seus acionistas.

Preocupa? Preocupa ! O Diesel aumenta, aumenta o frete e o transporte afeta o preço final  da imensa maioria dos  itens do agro e da própria cotação de mercado de empresas deste importante setor da economia brasileira.  O que o produtor deve aprender com isto é a não se desesperar e esperar o momento oportuno para ir à forra, porque este efeito é sazonal  e o preço os combustíveis fósseis irá  abaixar  no Brasil e no mundo  tão logo debelados os efeitos  nocivos da pandemia e da crise na Ucrânia.

É esperar para conferir….

Quer continuar entendendo como a nova alta do Diesel afeta o agronegócio? Continue seguindo nosso blog, vamos estar sempre mantendo esse assunto atualizado com novas postagens…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.