Exportar é preciso, principalmente em tempos de uma economia interna recessiva, com o consumidor perdendo vertiginosamente o poder de compra, como é o caso do Brasil.

A novidade é que, se antes dependíamos exclusivamente de nossos vínculos comerciais com China e Estados Unidos, nossos maiores compradores de produtos agropecuários e, mesmo de tudo o mais que fabricamos e exportamos, o mercado nos deu  novos e importantes compradores: os países árabes.

Conhecidos mundialmente por sua religião e costumes diferentes e suas paisagens inóspitas, alguns destes países são riquíssimos, muito embora por lá a distribuição de renda seja tão claudicante quanto em nosso país. Mas os estados árabes, através de seus governos, interferem diretamente no mercado e, com bastante dinheiro – os famosos “petrodólares” – compram em larga escala do produtor tupiniquim.

Além da riqueza, o clima hostil à atividade agropecuária tornam países como Emirados Árabes, Arábia Saudita e Kwait, clientes vip para o agronegócio Brasileiro – até porque, diferentemente de Israel, que resolveu seu problema de seca dessalinizando a água do mar, estes tigres de turbante ainda patinam na tecnologia necessária para irrigar seu solo desértico.

Por fim, e ao contrário seus vizinhos mais bravos que vivem em guerra, como Iraque e Afeganistão, há países prósperos do mundo árabe que, justamente por não gastarem dinheiro com bombas, conseguem prosperar e comprar aquilo que seu clima e solo não lhes fornece naturalmente. A economia brasileira é que agradece.

Quer continuar por dentro das novidades do agronegócios? Continue seguindo nosso blog e também a parte de notícias, em nosso site… basta clicar aqui, e se manter informado!

fonte:

https://www.canalrural.com.br/noticias/brasil-exportacoes-mercado-halal/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.