É claro que todos ligados direta ou indiretamente ao agronegócio estão preocupadíssimos com os atuais problemas climáticos que assolam o país, castigando plantações e vias de acesso e escoamento geralmente utilizados pelo produtor rural com fortíssima chuvas.

Fortes  e incomuns, estas chuvas se acentuam devido ao fenômeno climático conhecido como “La nina”, com assoreamento de áreas de plantio e pastagens e a subida incômoda e desmesurada do nível dos rios – o  Tocantins, por exemplo, já subiu mais de dez metros.

A defesa civil se preocupa com tanto aguaceiro e já recomendou que as pessoas fiquem em casa e viagem menos – desta vez, não por conta da pandemia, mas do “La nina”.  O problema maior é que, como diz o antiquíssimo ditado, depois da tempestade vem a bonança. É claro que a estiagem após as fortes chuvas vai afetar bastante a produtividade agropecuária, com reflexos inusitados em um setor de nossa economia que sempre se manteve aquecido nos últimos anos.

A crise hídrica já é uma realidade, com prejuízos já existentes e consideráveis para o agronegócio. Já interfere na geração de energia elétrica em Itaipu, e prejudica o escoamento da produção pelas vias rodoviárias. E o pior de tudo é que as chuvas vem caindo onde não devem, e não ocorrem onde precisariam existir para auxiliar na safra. Não  cai em áreas produtivas que carecem das  águas.

Quer continuar por dentro das novidades do agronegócios? Continue seguindo nosso blog e também a parte de notícias, em nosso site… basta clicar aqui, e se manter informado!

fonte:

https://www.canalrural.com.br/noticias/tempo/la-nina-acentua-contrastes-climaticos-pelo-brasil/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.