O complexo da soja,  ou ciclo da soja,  envolve um circuito de atividades econômicas relacionadas com  o plantio, cultivo e colheita da soja e começa com  o grão esmagado e a produção de farelo e óleo, separando proteína e escoando a produção para o mercado interno e externo conforme a necessidade e os negócios contratados.

Em poucas palavras: a soja está tranquila. Sua oscilação não vai deixar ninguém milionário da noite para o dia, mas também não vai quebrar – o aumento é suave, previsível,  um pouco abaixo  do que se esperava agora. Também, depois  do aumento monstruoso que ocorreu na safra passada já se sabia que o que viesse viria  menos enfático e mais sutil, ainda que os números permaneçam bons.

Acenderam-se, no entanto, alguns sinais de alerta. O furacão La Niña já aparece no radar das estações meteorológicas dos EUA e isso vai gerar calor e seca em terras americanas, prejudicando a produção de soja deles. Seria bom  para o Brasil, mas os chineses estão comprando menos, o  que equilibra as coisas.

Os fertilizantes caros, cada vez mais caros, e os custos de produção aumentados pelos preços dos combustíveis tornam o produto mais caro,  menos convidativo e menos agressivas as vendas da soja e dos seus derivados. Com preços subsidiados,  a soja americana ainda é mais convidativa no mercado internacional, ao menos enquanto não chega o La Niña. Outra grande produtora, a Argentina deve produzir menos óleo vegeta este ano, aumentando  a competitividade no setor.

De toda forma reforçamos o que todo homem do campo já sabe: Precisamos continuar de olho e ficar ligado em qualquer possível mudança que pode fazer o mercado do agro oscilar…

Continue seguindo nosso site e fique por dentro de novidades relacionadas ao complexo soja e muito mais!

fonte:

https://www.canalrural.com.br/projeto-soja-brasil/mercado-complexo-soja-brasil-estados-unidos-argentina-china/

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.