Se você acompanha este blog é porque já sabia, ou aqui logo aprendeu, o que é safra. Aprendeu também os derivados deste conceito: plantio, colheita, entressafra, safrinha, etc… Mas, o que é o “Plano Safra”? Você já ouviu falar disso?

O Plano Safra é um grande fomentador do desenvolvimento agropecuário em bases sustentáveis, pois incentiva a modernização tecnológica e a aplicação das melhores práticas no campo, em conformidade com a legislação ambiental brasileira, uma das mais avançadas do mundo.

Acompanhe a leitura e entenda mais sobre essa assunto tão importante para os agricultores.

Plano agrícola do governo federal

O Plano Safra é um plano agrícola e pecuário (PAP) organizado pelo governo brasileiro para regulamentar a realização de medidas econômicas direcionadas ao setor agropecuário e que se referirão à linhas de crédito de custeio e financiamento, mas também orientarão commodities rurais e a securitização da colheita.
Por este motivo o agricultor hoje deve se capacitar e se profissionalizar, cercando-se de profissionais técnicos de outras áreas do conhecimento humano, contadores, advogados, corretores de valores, etc… O PAP – que é o Plano Safra – irá direcionar quase 300 bilhões de reais na média anual e não somente para o custeio do plantio e da colheita, mas também para a comercialização e industrialização da produção rural. Para aproveitar este recurso, é necessário ater-se ao plano desde quando divulgado pelo governo como também cumprir seus requisitos e seguir as boas práticas nele estabelecidas.
O Plano Safra atualmente é plurianual e também busca a regularização fundiária e a agroecologia, indo além do crédito rural. Sinal dos tempos.

Distribuição de recursos

Neste Plano Safra 2021/2022, serão oferecidos R$ 17,1 bilhões em recursos subvencionados pelo Governo Federal, e cerca de R$ 3 bilhões em linha própria do BNDES, que poderão ser acessados pelos produtores rurais, empresas e cooperativas do setor. Os recursos sujeitos à subvenção econômica serão aplicados por meio de dez programas. Nove deles são destinados à agricultura empresarial, que contará com R$ 11,9 bilhões. As taxas de juros anuais destas linhas variam entre 5,5% e 8,5%. Já o Pronaf, terá taxas anuais entre 0,5% e 4,5%. 

Como já vem ocorrendo nos últimos anos, o Programa BNDES Crédito Rural, que não conta com subvenção econômica, tem financiamento a taxas de juros variáveis de acordo com a data da contratação da operação. Desta vez, esse programa que mantém o crédito disponível durante todo o ano deverá prover pelo menos R$ 3 bilhões ao setor.

Para o próximo ciclo, o Plano Safra 2021/22 ficará ainda mais verde, com o fortalecimento do Programa ABC, Inovagro e Proirriga, abrangendo o financiamento à produção de bioinsumos, de energia renovável e à adoção de práticas conservacionistas de uso, manejo e proteção dos recursos naturais e agricultura irrigada.

Quer continuar lendo mais sobre assuntos inerentes ao meio rural? Continue seguindo nosso blog.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.