Você conhece os usos do milho no confinamento bovino?

O confinamento do gado é uma das estratégias mais empregadas pelos produtores para, entre outras razões, contornar a escassez de nutrientes das pastagens na época seca e manter o desempenho dos animais.

Quer comprar, vender ou armazenar milho? Fale com um de nossos consultores clicando aqui.

Nesse sistema, a dieta com uso do milho é uma alternativa para reduzir os custos com alimentação e aumentar a eficiência e o desempenho dos bovinos.

5 usos do milho em confinamento de ruminantes

O processamento do milho é um recurso muito importante para o sucesso do negócio de confinamento. Considerando que o milho, em todas as suas formas, grão inteiro, floculado, moído e o sorgo ou outros substitutivos, representam cerca de 50 a 70% dos custos de uma dieta, aperfeiçoar o aproveitamento destes insumos impacta positivamente os resultados financeiros da operação.

Segue abaixo algumas formas para inclusão na dieta de ruminantes, com o intuito de aperfeiçoar a atividade e melhorar a digestão destes alimentos.

1 – Milho Grão Inteiro

Consiste em se utilizar o milho na dieta, sem nenhum processamento.

Vantagens

  • Conveniência;
  • Simplicidade da operação: Normalmente utilizado em dietas com ração peletizada onde apenas os dois ingredientes são utilizados na mistura havendo ausência de volumoso.

Desvantagens

  • Menor digestibilidade do grão;
  • Menor ganho médio diário do animal, em função do pior aproveitamento do alimento;
  • Maior custo da arroba produzida: entre 16 a 20% a mais em relação à técnica de processamento do milho moído fino.
Confira acima as espécies de milho ideais para consumo.

2 – Milho Laminado

A técnica de processamento do milho laminado visa quebrar o grão em 3 a 4 partes através de um equipamento de Moinho de Rolo (laminador). Essa técnica está crescendo muito no Brasil.

Vantagens

  • Grande produtividade do equipamento (moinho de rolo);
  • Baixíssimo risco de acidose, independente do manejo de cocho;
  • Pulverulência: Por apresentar partículas maiores reduz as perdas em relação ao milho moído fino.

Desvantagens

  • O moinho de rolo não pode ser usado para substitutos do milho (sorgo, milheto);
  • Menor digestibilidade em relação ao milho moído fino, especialmente se tratando do milho flint;
  • Maior custo da arroba produzida: 8 a 12% a mais em relação ao moído fino;

3 – Milho Moído Fino

Essa técnica de processamento do milho é a mais utilizada no Brasil, inclusive é a que mais usamos aqui na Gran Milho.

Ela utiliza o moinho martelo, que consiste na trituração do milho pelos martelos do triturador e uma posterior seleção via peneira das partículas estiverem com o tamanho ideal.

Vantagens

  • Maior digestibilidade do alimento quando comparado ao milho laminado e grão inteiro;
  • Equipamento pode ser usado para os substitutivos do milho (sorgo e milheto);
  • Maior ganho médio diária do animal quando comparado ao milho laminado e grão inteiro.

Desvantagens

  • Maior risco de acidose;
  • Pulverulência: Devido ao pequeno tamanho das partículas, podem ocorrer perdas durante o processamento, armazenagem, transporte e distribuição do alimento.
Leia também o porquê do milho e da soja serem commodities super cobiçadas no mercado mundial.

4 – Milho Reidratado

Essa técnica também é conhecida como milho reconstituído.

Consiste em se moer o milho em peneira de 5 mm ou 7 mm, adicionando água uniformemente ao material – cerca de 230 litros de água/ton, com uma umidade ideal entre 34 a 38% – para depois fazer a compactação e vedação, assim ocorre a fermentação como em uma silagem convencional.

Vantagens

  • Maior digestibilidade: 5 a 6% em relação ao milho moído fino;
  • Armazenamento do milho em silos de menor custo.

Desvantagens

  • Dificuldade operacional da ensilagem;
  • Riscos de desperdício, especialmente na retirada.

5 – Milho Grão Úmido

Esse procedimento realiza uma colheita antecipada dos grãos, cerca de 3 a 4 semanas antes, com uma umidade ideal do milho em torno de 34 a 38%.

Depois de colhido, o grão é laminado em um moinho de rolo e então pode ser compactado e vedado na forma de silagem para fermentação anaeróbica.

Vantagens

  • Antecipação da colheita: otimiza o uso da terra;
  • Aumento de digestibilidade: 10 a 12% em relação ao milho moído fino;
  • Redução de perdas no armazenamento e custos com secagem para armazenamento em silos graneleiros.

Desvantagens

  • Risco de se perder o ponto de colheita e valor nutritivo;
  • Riscos de desperdício, especialmente na retirada do material dos silos.

Essa estratégia nutricional é muito produtiva. Mas a sua eficiência vai depender das condições da fazenda, da raça e da idade dos animais e da sua adaptação ao alimento. Além disso, a qualidade do milho e a homogeneidade da mistura também influenciam diretamente no sucesso do método.

Viu como o milho pode oferecer diversos usos no confinamento de bovinos? Se tiver alguma dúvida, pergunte aqui em baixo. Não esqueça também se seguir a gente no Instagram para conferir mais dicas como essa, só clicar aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.