Produtor, você sabe qual a diferença de uso entre soja e o farelo de soja? A resposta para essa pergunta é bem simples, mas muitos produtores iniciantes se atrapalham nessa hora.

Quer vender, comprar ou armazenar soja? Entre em contato com a gente clicando aqui.

O farelo de soja nada mais é que um subproduto da soja in natura, mas qual é a sua finalidade?

Continue seguindo a leitura e entenda um pouco mais sobre isso.

Usos da soja

O grão de soja possui grande variedade de uso. Na indústria de alimentos, por exemplo, é utilizado como matéria-prima para a produção de chocolates, temperos e massas.

O óleo é processado e utilizado para cozimento, fabricação de margarina e maionese. Um de seus componentes extraídos, a lecitina, é uma substância emulsificante utilizada na fabricação de salsichas, sorvetes, barras de cereais, e outros.

Na indústria química, a soja serve como base para produção de vernizes, tintas, plásticos, cosméticos, adesivos, fibras e revestimento.

O grão ainda é utilizado na produção de biodiesel, embora não apresente o maior teor de óleo para combustível, a cadeia produtiva de soja é capaz de tornar viável a sua aplicação neste segmento. Entre 85% e 90% do óleo vai para a indústria de biodiesel e entre 10% e 15% serve de matéria-prima para a produção de óleo comestível.

Leia também sobre a casca de soja no artigo acima.

Usos do farelo

Já o farelo de soja é produzido a partir do beneficiamento da soja, tendo um excelente custo-benefício para a composição da ração animal e alimentação nas cadeias de bovinos, suínos, aves, equinos e também na linha PET.

A composição do farelo de soja possui 46% proteína bruta, 80% de proteína solúvel, 6% de fibra e 2,5% de óleo.

Com esse alto teor de proteína, garante a correta formulação das rações e suplementação animal em larga escala, com alto desempenho na conversão de proteína para ganho de peso dos animais. De cada 1.000 kg de soja processados, são extraídos 750 kg de farelo de soja.

Em ambos os casos, o produtos que se dedica ao cultivo da soja tem grandes chances de crescimento, já que a soja in natura ou beneficiada tem grande valor para o mercado como commodity.

Ficou claro quais as diferenças? Continue seguindo o blog da Gran Milho e fique por dentro de assuntos relacionados ao agronegócio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.